maio 1, 2019 6:20 am

Ações da Vigilância Ambiental e SAMAL no combate a Dengue chega à Ponte da Aldeia




A Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Ambiental, em parceria com o SAMAL desencadeou as ações neste sábado, 27/04, no Bairro Ponte da Aldeia, onde foram notificados vários casos de Dengue. O mutirão foi um pedido especial da prefeita Cici Magalhães e da secretária de Saúde Karina Gama.

>>VEJA AS FOTOS ABAIXO DESTA REPORTAGEM

A comunidade já foi informada da situação que está ocorrendo e apresentado o número de pessoas com suspeita de terem contraído o vírus da dengue. A partir daí o Setor de Vigilância Ambiental programou o mutirão no bairro, para as ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya e outras doenças atribuídas a ele.

Durante a ação, os agentes de Endemia realizaram limpeza nos lotes das residências, orientaram os moradores sobre os procedimentos, para evitar a proliferação e a maneira de estarem participando no campo preventivo, para ajudarem no combate à dengue. Vários caminhões de lixo foram removidos de quintais das residências.

O trabalho desenvolvido no bairro pelos agentes e SAMAL surtiu resultado junto aos moradores, que demonstraram apreensivos ao acompanharem o trabalho e, perceberem que nos quintais estava o “berço” do mosquito.

Em uma das residências, os agentes encontraram uma tampa de tambor, com uma grande quantidade de larvas prestes a se tornarem mais um mosquito para atacar. Caixas d’água com a tela praticamente rompida também foram encontradas, durante a visita das equipes de Endemia da Vigilância Ambiental.

O supervisor de Endemias da Vigilância Ambiental, Alair Ferreira Júnior, conta que diariamente faz o acompanhamento, mas apesar dos serviços constantes, os focos da doença continuam aparecendo.

“Estamos eliminando os focos, inclusive com retirada de pneus velhos, móveis, vasilhas, fazendo tratamento e orientando os moradores para que mantenham os quintais limpos, evitando depositar lixo nos terrenos”, destaca Alair Ferreira.

Outro ponto que chamou a atenção dos agentes foi o aparecimento de focos nos pés de taioba, geralmente plantada nos quintais. Poucas pessoas fazem observação e, acima do chão onde as folhas se definem, cria-se um pequeno espaço abaixo do talo, que armazena água e serve de criadouro do mosquito.

Secretaria e Comunicação Social – Prefeitura de Manhuaçu