abril 10, 2019 8:11 am

Resultados confirmam vantagens para produtores associados da SCAMG




A Associação de Cafés Especiais de Minas Gerais (SCAMG) promoveu encontro para premiar os produtores associados e apresentar os resultados da safra 2017-2018. O grupo somou uma renda bruta de 36 milhões de reais no período e teve um lucro médio por saca de café de 96,80 reais. Os números são expressivos e mostram que a entidade potencializa os resultados dos associados.

Todos que lidam no setor cafeeiro sabem que o preço da saca do café varia de acordo com a cotação da Bolsa de Nova Iorque e da sua catação (eliminação dos principais defeitos e resíduos) e qualidade. Unidos e com a orientação adequada, os associados da SCAMG conseguiram um preço médio muito superior ao de mercado e ainda somaram outras conquistas significativas, como premiações e o reconhecimento com cafés especiais certificados.

Consultor Técnico da SCAMG e do Projeto Educampo, Flávio Borela Pena, da Pena Consultoria, é o responsável pelo grupo. Ele apresentou os dados do fechamento da Safra 2017-2018 em reunião com os associados.

Os números são eficazes em mostrar os resultados alcançados. São 27 fazendas que somam 1.832 hectares de área plantada. Na safra 17-18 foram produzidas 72.239 sacas (média de 39,4 sacas por hectare).

O valor médio por saca foi de R$ 497,80. O grupo gerou uma renda bruta de R$ 35.962.150,00. O gasto médio por saca ficou em R$ 325,45 e o lucro foi de R$ 96,80 por saca.

Com esses números, Flávio Borela Pena apresentou também o resultado do Biênio 2016-2018. Foram 25 fazendas, num total de 2.814 hectares e produção de 95.890 sacas (média de 34,1 saca por hectare). O preço médio por saca ficou em R$ 548,82. A renda bruta do grupo no biênio foi de R$ 52.616.185,00.

O valor do gasto médio por saca foi de R$ 360,33 e o lucro médio no biênio por saca foi de R$ 113,50.

EDUCAMPO

O consultor Flávio Borela Pena considera que esses resultados positivos confirmam que o projeto ajudou o produtor a capitalizar em períodos de crise e cuidar melhor de suas lavouras, permitindo uma produção melhor.

“O Educampo é uma ferramenta de levantamento dos dados das propriedades participantes para analisar a situação econômica de cada produtor, com efeito de comparação para poder contribuir na redução dos custos de produção. Além disso, dentro da associação existe uma busca permanente pela qualidade do café bem como todo o seu processo, isto é, da colheita ao beneficio”, pontua Flávio Borela Pena.

A SCAMG também tem um departamento de compra coletiva para levantar o volume dos insumos, proporcionando ao associado redução nos seus investimentos.

“O nosso trabalho no projeto Educampo que a SCAMG oferece ao seus associados permite ao produtor fazer os cálculos de custos para ajudar na tomada de decisão de venda na safra e futura e serve também para comparar os gastos com todos os produtores, permitindo verificar os pontos fortes e fracos de cada propriedade e levar a todos os associados o que há de melhor”.

Através das entidades parceiras, como Sebrae, Senar, UFV, Procafé, Pena Consultoria e outros, a associação promove constantes palestras e cursos, com intuito de cada vez mais apresentar para o associado conhecimento, além das necessidades ambientais, sociais e trabalhistas.

A SCAMG possui provador próprio para atender toda a necessidade do produtor, além de um escritório de corretagem parceiro. Sendo que a comercialização realizada pelo parceiro é destinada 50% da corretagem para a associação.
PREMIAÇÕES CONFIRMAM QUALIDADE

Outro benefício visível foram as várias premiações alcançadas pelos produtores associados no ano de 2018 comprovando que a Região das Matas de Minas produz cafés especiais e que a SCAMG atua no centro dessa produção, ajudando a consolidar a marca da região produtora de qualidade.

“O Educampo da SCAMG promove a melhoria da qualidade, aumenta a produtividade, facilita o acesso a mercados, orienta a gestão da propriedade como um negócio, controlando custos, melhorando a negociação do seu produto”, resume o engenheiro agrônomo Flávio Borela Pena.

Os participantes do Educampo conseguiram as seguintes premiações:

– Walace Ferreira Pedrosa

1º lugar Concurso Regional da EMATER 2018. Categoria natural terras baixas
2º Lugar Concurso Regional da EMATER 2018. Categoria natural terras baixas.
1º Lugar na categoria Cereja Descascado da Região Matas de Minas – 15º Concurso Estadual de Qualidade EMATER 2018

– Euler de Moura Soares Filho

28° Prêmio Ernesto llly de Qualidade Sustentável do Café para Espresso – classificado entre os 40 finalistas

– Ari de Oliveira Filho

2º Lugar – Café despolpado – 2° Concurso de Qualidade dos Cafés de Manhumirim

– Sérgio Cotrim D’Alessandro

3°lugar – Cafe Cereja descascado – 2° concurso de qualidade dos cafés de Manhumirim
Fornecedor Categoria Platinum Illy Café 2018

-Fazendas Dutra – Ednilson Alves Dutra e Walter César Dutra

1º Lugar no Concurso Nosso Café by Yara na categoria Natural
2º Lugar no Concurso Nosso Café by Yara na categoria Descascado
1º Lugar no concurso municipal de qualidade de cafés de São João do Manhuaçu – Categoria Natural
1º Lugar no concurso municipal de qualidade de cafés de São João do Manhuaçu – Categoria Cereja Descascado
2° Lugar no concurso municipal de qualidade de cafés de São João do Manhuaçu – Categoria Cereja Descascado
3º Lugar no concurso municipal de qualidade de cafés de São João do Manhuaçu – Categoria Natural

Eleito o melhor café na Bélgica no concurso Belgium Júnior Coffee Ambassador.

Assessoria de Comunicação