março 26, 2019 8:27 am

Vereadores de Manhuaçu se reúnem com funcionários da construção do Minha Casa Minha Vida




Os vereadores de Manhuaçu se reuniram novamente, na tarde desta segunda-feira, 25/03, com os funcionários do conjunto habitacional Minha Casa Minha Vida, a fim de mostrar as respostas obtidas por meio dos ofícios encaminhados à Caixa. Participaram do encontro, o Presidente Inspetor Juninho Linhares e os vereadores Administrador Rodrigo, Cleber da Matinha, Adalto de Abreu e Cabo Ferreira.

>>VEJA AS FOTOS ABAIXO DESTA REPORTAGEM

Durante a reunião, o Vereador Administrador Rodrigo, responsável pela primeira intermediação no dia 20/03, em que aconteceu a manifestação na BR-262, explicou o objetivo do encontro. “Como resposta à paralisação da BR-262, a Câmara encaminhou, no mesmo dia, ofício à Caixa Econômica Federal Manhuaçu que encaminhou à Superintendência Regional em Governador Valadares, e a que a mesma respondeu cinco dias após, que ela é apenas o agente financeiro que realiza os pagamentos de acordo com a disponibilidade financeira e que a responsabilidade desta informação/repasse é do Ministério do Desenvolvimento Regional”, explicou o parlamentar.

A obra é do Governo Federal e intermediada pela Caixa que faz os repasses à construtora.

O Presidente da Câmara, Inspetor Juninho Linhares, comentou que o Legislativo está de portas abertas para poder ajudar mediante possível.

Durante a visita aos apartamentos, foram observadas várias situações pendentes como: Energia elétrica para chegar aos prédios, ausência de padrão de energia de todos os prédios, ausência de relógios medidores de água, ausência de reservatório de água para abastecimento dos prédios, vários apartamentos faltando acabamento, falta de uma demão de tinta em todos os apartamentos, falta de calçamento na área de convivência, rachaduras na área de estacionamento, janelas quebradas, entre outros problemas.

FALTA DE PAGAMENTOS

Os trabalhadores anunciaram que iriam fechar a rodovia por falta de pagamentos de salários. O atraso da construtora, segundo eles, soma três meses.

Além do pagamento, eles alegam ainda que estão sem o fornecimento de café e de almoço. Alguns estão preocupados com o atraso também do pagamento de pensão, já que não estão recebendo.

Assessoria de Comunicação Câmara