fevereiro 25, 2019 8:58 am

Preços dos combustíveis: Vereadores de Manhuaçu e PROCON encaminharão à ANP/RJ cobrança de análise junto às distribuidoras




Após muitas horas de debate entre vereadores, PROCON e Minaspetro, durante reunião, na tarde de sexta-feira, 22/02, na sede do PROCON sobre os preços dos combustíveis, ficou definido que um documento assinado pelo PROCON e Câmara de Vereadores será enviado à ANP (Agência Nacional do Petróleo) do Rio de Janeiro cobrando uma análise junto as distribuidoras do motivo da venda tão alta.

Participaram do encontro o Coordenador do PROCON, Dr. Alex Barbosa; o representante da Minaspetro, Dr. Lucas Sá e os vereadores Adalto de Abreu (Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor), Gilson César (Relator da mesma comissão), Cleber da Matinha, Administrador Rodrigo, Professor Giovanni, Elenilton Martins, Tony Mix e a vereadora Berenice Ferreira. Apesar do convite, o Ministério Público e o PROCON MG não estiveram presentes, mas justificaram as ausências.

Para o Coordenador do PROCON, Dr Alex Barbosa, o trabalho de apuração e investigação dos postos em Manhuaçu foi feito e agora a cobrança será nas distribuidoras. “Foi tratado dos preços dos combustíveis em relação a outros municípios e a questão da formação, em tese, de cartel. A reunião foi muito produtiva, tivemos a presença dos vereadores; do representante da Minaspetro e por questões de agenda, o Ministério Público e o PROCON MG não puderam se fazer presente, mas mandaram nota, e o que a gente deixa para o povo é que fizemos um trabalho de apuração e investigação, fazendo levantamento de preços de compra de combustíveis junto as distribuidoras e os preços praticado por cada postos. Durante esta semana, ouvimos os donos de postos, colhemos oitivas de cada um deles e fizemos um apanhado para encaminhar à APN, PROCON MG e ao Ministério Público essas provas que foram apuradas. A princípio, a gente percebe uma alta carga de tributação em cima do preço, desde a refinaria para distribuidora e isto é um grande questionamento. Acredito que essa junção de esforços será muito importante para que tenhamos realmente uma resposta. Fica aqui a garantia a toda população que o PROCON tem feito o trabalho não só do setor de combustíveis, mas em todas as outras esferas”, explicou.

O Relator da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor, Vereador Gilson César, disse que a população está em busca de respostas e isto está sendo cobrado. “A população quer uma solução e foi isso que eu cobrei juntamente com os demais vereadores, pois temos que dar uma resposta satisfatória. Pelo que a Minaspetro nos informou, a gente pode suspeitar que o problema está nas distribuidoras, então chegando a esta conclusão, juntamente com o PROCON, decidimos encaminhar à ANP do Rio de Janeiro que é o órgão competente para fazer a investigação, um pedido para fazer averiguar nas distribuidoras de combustíveis. Quero deixar claro que não vamos parar de lutar e tão logo a gente obtenha respostas concretas, iremos divulgar”, ressaltou.

De acordo com o Vereador Administrado Rodrigo, a falta de respostas rápidas causou indignação e os vereadores estão em busca de solução. “Viemos ouvir as explicações a respeito da prática dos preços de combustíveis. A reunião foi muito acalorada, sendo que os colegas vereadores estão indignados com a falta de informação e deixei claro para o coordenador do PROCON que poderíamos ter evitado este momento, se a gente já tivesse essa informação de forma mais rápida, mas ele alegou que ainda estava apurando os fatos e não tinha concretude das informações para nos repassar. Foi apresentado para nós toda a composição de preços, a questão tributária em cima do preço do combustível, chegando até a 62% segundo informação da Minaspetro. Ouvimos todas as informações, mas o que eu queria ver mesmo e ter conhecimento era o preço de aquisição, então por isso temos que levantar as informações, pra gente saber de quem cobrar diretamente”, salientou.

Ainda segundo Rodrigo, “o coordenador do PROCON irá enviar para a Câmara na terça-feira, 26 a documentação, e nós vamos estar de posse de todas as informações para gente fazer uma análise melhor, mas tudo indica que a aquisição do combustível pelo posto é muito elevada. Dessa forma, acredito que teremos uma resposta mais concreta e embasada”, concluiu o parlamentar.

Os vereadores Adalto de Abreu e Cleber Benfica abandonaram a reunião logo após o seu início por não concordarem com a forma em que estava sendo conduzida e também pela ausência dos representantes do Procon MG e do Ministério Público.

Assessoria de Comunicação