fevereiro 6, 2019 1:25 pm

Árvore seca coloca em risco moradores no Bairro Petrina




Uma árvore que já está morta e seca vem preocupando moradores próximos ao salão da Igreja São Geraldo, na Rua Gláucio Mendes, Bairro Petrina, em Manhuaçu. Quem mora nas proximidades teme que a árvore possa cair a qualquer momento.

Em meio a pequena mata com outras árvores existentes, é possível perceber que ela se destaca, devido ao seu porte grande, já está seca há muito tempo, inclusive com seus galhos quebrados que estão pendurados, colocando em risco os carros que ficam estacionados perto do salão da igreja, bem como os moradores da rua lateral.

Os mais antigos contam que já viram alguns galhos se desprenderem e caírem em meio a mata densa ali existente. Eles alegam insegurança a todo o momento, pois, o risco de queda é visível, principalmente em época de chuva, que geralmente na região vem acompanhada de fortes ventos, que podem derrubar a mesma em cima dos imóveis. A chuva forte com vendaval, que assolou parte da cidade e destelhou casas na noite da última terça-feira, por exemplo, deixou os moradores alarmados.

A reportagem foi até o tronco da árvore de angico. Porte grande com galhos compridos e espalhados, a árvore oferece risco iminente. Ela se encontra no ponto bem alto, em cima de uma pedreira e se ocasionar a queda provocada por vento, seus galhos e troncos serão lançados sobre o salão da igreja e das casas ao lado.

O vice-presidente da Associação de moradores do Bairro Petrina, Paulo José da Silva disse que já foi feita solicitação para a remoção da árvore há bastante tempo. Duas que também apresentavam ameaça foram retiradas, mas, a de maior porte tornou-se um desafio para a Defesa Civil e Corpo de Bombeiros.

O líder comunitário ressalta ainda que é cobrado incessantemente pelos moradores do local e já não sabe onde buscar apoio para que a árvore seja removida. “A gente olhando de perto, a dimensão que essa árvore pode alcançar no caso de uma queda, nos remete a um medo diário. Ofícios já foram encaminhados, mas, infelizmente até agora nenhuma ação foi realizada para que os moradores tenham tranquilidade em suas casas”, relata o vice-presidente da associação de moradores.

A reportagem levou a situação preocupante e a reivindicação dos moradores ao conhecimento da Defesa Civil. O coordenador interino, José Maria Dornelas reiterou da situação que ameaça os moradores da Rua Gláucio Mendes. Anunciou que estará tomando medidas necessárias, para a remoção da árvore seca, que preocupa os seus vizinhos.

Eduardo Satil